Reimagining Care: 200 Questions About Care by Rubiane Maia

Rubiane Maia’s 200 Questions about Care were developed out of her research as part of the six-month residency Reimagining Care. The transdisciplinary artist and independent researcher maps different notions and framings of care, calling us to interrogate and expand what we think of when we think about “care”.

The text is also available in Portuguese, and there is a recording of the questions (in English), read by Rubiane.

 

Read the 200 questions in English

Read the 200 questions in Portuguese

200 Questions About Care - English Language

“Caring for myself is not self-indulgence, 

it is self-preservation, and that is an act of political warfare”

– Audre Lorde

 

In the last few months I have been dedicating myself to the challenge of Reimagining Care. If on the one hand this invitation sounded attractive, on the other I found it quite frightening. It’s definitely not an easy subject to work with. I started this process through readings, conversations and exchanges related to the theme, confronting it as an artist-researcher and mother. At this intersection, I realised that my involvement with care could never be purely conceptual or idealised, since in practice it is part of my responsibilities in daily routine. From that, I quickly elaborated my first personal, reflective, uncountable and inevitable question: how could I take on the task of trying to reimagine care in a collective instance when I am so exhausted? The fact is that effort, exhaustion, and breakdown are very common experiences among carers. Thus, why should I omit or even be ashamed of my own tiredness? Could it be that this “personal” circumstance might in fact be reflecting one of the central problems for carers, the overload?

 

There is no doubt that thinking about new practices of care for oneself, for others and for the world is really urgent in all instances, but I start from the principle that new possibilities cannot be built without changes. And there can be no change without establishing a process of transformation. Process is always driven by questions, from the most simplistic to the most profound. Therefore, I am very interested in questions. When I’m researching something, I’m always in favour of the idea of creating questions, even if they’re not supposed to be answered. I also think it’s important to ask the same thing more than once, because sometimes it’s decisive to go back to questions that have already been asked, insisting on them, because the same question can be read differently depending on the context. Since this residency began, I have used the act of questioning as an active exercise of speculation and digging into the theme, focusing mainly on my personal experiences, on interpersonal and institutional relationships. This is an ongoing process without conclusion that can serve as an opening for further investigation or provide markers for attention. These are questions that can work with other questions coming from other places, asked by other people, thought of in other contexts. I also believe they could be re-elaborated or re-assembled in a different way, perhaps as a game. 

What is it caring?

What is it not-caring?

How do you relate to the word ‘care’?

Have you received care during your childhood?

Are you receiving care during your adult life?

How do you think you will be cared for in your old age?

Who was the person who cared for you during most of your life?

Is it a right or a privilege to receive care?

Who is responsible for caring?

Who should take care of you?

Is caring natural?

Is caring cultural?

Is caring an invisible work? If care is visible, where can you see it?

Where do you not see care?

Is everyone born knowing how to care?

Is care human?

Is care naturally maternal?

Is caring a job?

What jobs involve care?

Is care a practice?

What are the activities related to the responsibility of caring?

What are the spaces associated with the practice of caring?

Is caring a moral or religious obligation?

Is the practice of care secular?

How do religions interfere with our notion and practice of care?

How much does religion interfere with your way of caring or thinking about care?

Is being supportive the same as being care-full?

Are there ideal parameters of care? If not, should they exist?

Do human rights and care mean the same thing?

Does who loves, care? If you care for me, do you love me?

Is it possible to love and not to care?

Is it possible to care without ever being loved?

Why should I worry about care?

Is it possible to define the basic skills of a caregiver? If so, what would they be?

Is care feminine? If so, why?

In which situation does the government take care?

In which situation doesn’t the government take care?

In which situation is the government obliged to provide care, but doesn’t do it?

Are care policies offered to everyone?

Are we all caregivers?

Is it possible to lose the ability to care?

Is it acceptable to refuse care?

What does it mean to formulate a transnational notion of care? In what instance could this be applied?

Does caring require control?

Is caring the same as serving?

Who can and who cannot refuse the responsibility of caring?

Does caring take time?

What would you like to do with your time if you weren’t taking care of others?

Do you have responsibilities of care? If so, what are they?

Is caring good?

Is receiving care pleasurable?

What defines good care?

What characterises bad care?

What do we need to do to learn to care better?

Are you comfortable receiving care?

In which situation does care bother you?

In which situation does care become oppressive?

Who needs care?

Who doesn’t need care?

What should we take care of first?

What does caring involve?

Do we learn to care? If so, where?

Is care omnipresent?

What opportunities have you missed by having to take on the responsibility of caring?

Do you think care is present in your work environment? In what way?

How do we minimise the burden of those who are responsible for caring?

Should we all be concerned about who has the responsibility to care?

Who takes care of the carer?

Who should take care of the carers?

Which care practices can be applied in daily relationships?

Which care practices should be applied in professional relationships?

When do care and violence meet?

Is there a limit to care?

When is it not possible to care?

How can we practise care respecting the limits of oneself and the other?

How can we practise care during a situation of conflict?

When is there no care?

When can care become an obsession?

When can care become dangerous?

Is it possible to repair the prolonged lack of care?

What happens if nobody cares?

Does caring require special attention?

What is the impact of not receiving care when you need it?

How do we identify the absence of care?

Which are the main official policies of care in your country?

Which are the main policies of care in your sector of work?

Have you ever benefited from any public policy of care?

Which kind of public policy of care would you like to create?

Should a paid caregiver offer affection in their work? Why?

Is showing affection the same as being care-full?

Is it possible to affirm the urgency of a process of decolonisation of the practice of care?

Where is care being neglected?

Where is care being denied?

Where does care not reach?

Where did care never go?

Which bodies are considered worthy of care?

Which bodies are discarded in the name of care?

How do we take care of death? Do we take care of death?

How do we take care of births? Do we take good care of those who are being born?

How do we take care of pain? Of trauma? Of abandonment?

How do we take care of fear? Of loneliness? Of deep sadness? Of mourning?

How do we take care of those who wish to die? Of suicide? Of euthanasia? 

Is the reflection about care an ethical-political movement?

Who pays for those who care?

Is care a business?

Who benefits from the lack of care?

Who can pay for care?

Who cannot pay for care?

Are caregivers properly remunerated?

Who should receive financial support for their care but doesn’t receive it?

Who speaks in the name of care?

What power relations are at stake when we demand care?

Who cries out for care but is never heard?

Who is dying because of the lack of care?

Do you know someone who died because they did not receive care?

Who became crazy because of the overload of care?

Who survived thanks to the care they received?

Do different generations understand care in the same way?

Why is it urgent to ask so many questions about care?

Why am I questioning care now?

Is it possible to reimagine care?

How to deeply re-imaging care?

Are white people and people of colour receiving care in the same way?

Does gender help define who cares?

Is care always accessible? If so, for whom?

Is care unconditional?

Does care have geographic boundaries?

Is it possible to receive care anywhere in the world?

Is it acceptable to deny care to those who cannot afford it?

Do those who receive care live longer?

Is care negotiable?

Is care profitable?

In which instances can care not be sold?

Has anyone ever denied you care?

Would it be possible to invent a poetic-artistic movement about care?

Is care something relevant to the art world and the art market?

Is the artist a caregiver?

Does artistic work require care?

Where are the mothers who are artists?

What happens to those mothers who don’t know how to care or don’t want to care?

Where are the artists with physical or neuro disabilities?

Does the word care exist in all languages?

Does the word care have the same meaning in different languages?

When I say the word care, do you understand me?

Are the policies of care in the art world egalitarian and transparent?

What are the needs of artists with responsibility to care?

How does the work of care help move your country’s economy?

How does the work of care help move the world economy?

What if nobody had the will, the time and the resources to care?

How much time in a day do you spend on domestic work?

Is housework a job of care? 

What do you have to give up in order to fulfil your responsibility to care?

What kind of care is urgent? Who defines this urgency?

Does the burden generated by the responsibility of caring affect the mental health of the caregiver?

Does the burden generated by the responsibility of caring limit the economic prosperity of the caregiver?

Does the burden generated by the responsibility of caring interfere with the participation of women in politics?

Can the work of care be forced?

Is the work of care a type of provision?

How might climate change affect the people you care for?

How could care affect climate change?

Do you know of social programs aimed at people with responsibilities of care?

How much has your company or organisation invested in improving interpersonal relationships and care among employees?

Are you comfortable telling your co-workers that you have a responsibility to care?

Do you feel that your co-workers respect the fact that you have a responsibility to care?

Is your supervisor flexible when you have a problem linked to your responsibility to care?

Have you ever been abused because of your responsibility to care?

Has anyone ever questioned your basic employment rights as someone with a responsibility to care?

Has anyone ever told you that you are “less professional” for being a mother?

Has anyone ever told you that you are “less professional” for being a father?

Has anyone ever told you that you are “less professional” for having physical or neuro disabilities?

Would you feel embarrassed to breastfeed your child in your work environment? If so, why?

Historically, who is in charge of caring?

Is it possible to think of new ways of redistributing care responsibilities within the family? If so, how?

If we were to monetize unpaid care work, what figure would we reach?

Has the pandemic changed your conception of care? If so, in which way?

In contemporary society, does the responsibility to care have a gender? If so, which one?

In the art world, does the responsibility of caring also have a gender?  If so, which one?

Who takes care of the caregiving artists?

Is caring synonymous with healing?

Can care be generated by non-human forces?

Is there a technology of care?

Can machines care?

Can plants care? Can stones care? Can animals care? Does the Earth care?

Do you have a guiding entity that takes care of you?

How are we taking care of our ancestors?

How did our ancestors take care of us?

Do you carry any historical and/or generational trauma related to lack of care?

What are the collective traumas that are being generated by the absence of care?

How do you take care of your physical, emotional and mental health?

How do you take care of your rubbish or the things you discard?

Is there an aesthetic for care?

What is that we are not perceiving, but which is directly linked to the problem of care?

What questions were never asked about care?

Do you talk to others about caring and being cared for? Does this topic cause disagreements?

Do you teach your child to care?

Should children have the responsibility to care?

How can we expand the concept of care across cosmologies not centred on human thought?

Can you imagine new practices of care being applied by future generations? What would they be?

Is a care-free spirit more or less able to care?

How are you taking care of your soul?

200 Questions About Care - Portuguese Language

“Cuidar de mim mesmo não é autoindulgência, 

é autopreservação, e isso é um ato de guerra política”

– Audre Lorde

 

Nos últimos meses eu fui convidada a me dedicar ao desafio de reimaginar o cuidado. Se por um lado esta oferta soava atraente, por outro eu a considerava bastante assustadora. Iniciei esse processo através de leituras, conversas e trocas relacionadas ao tema, me confrontando com ele como artista-pesquisadora e mãe. Nesta interseção, eu me dei conta de que a minha implicação com o cuidado jamais poderia ser unicamente por uma via conceitual, já que na prática ele faz parte da minha rotina diária. A partir disso, eu rapidamente elaborei a minha primeira pergunta pessoal, reflexiva e inevitável: como eu poderia assumir a tarefa de tentar reimaginar o cuidado numa instância coletiva estando tão exausta? O fato é que esforço, exaustão e colapso são experiências muito comuns entre pessoas que cuidam. Sendo assim, porque eu deveria me preocupar em omitir ou mesmo me envergonhar disso? Será que esta circunstância “pessoal” não poderia estar de fato refletindo um dos problemas centrais para os cuidadores, a sobrecarga?

 

Não há dúvida de que pensar em novas práticas de cuidado de si, do outro e do mundo é realmente urgente em todas as instâncias, mas eu parto do princípio de que novas possibilidades não podem ser construídas sem mudanças. E não pode haver mudança sem que se instaure um processo de transformação. Ao passo que todo processo precisa de questionamentos dos mais simplistas aos mais profundos.  Por isso, eu estou muito interessada em fazer perguntas, pois para mim o questionamento está na base de qualquer processo ou vontade de mudança. Quando eu estou pesquisando algo, eu sou sempre a favor da ideia de criar perguntas, mesmo que seja para não serem respondidas. Eu também acho importante perguntar a mesma coisa mais de uma vez, porque às vezes é decisivo retomar as perguntas que já foram feitas, repetindo e insistindo nelas, porque uma mesma pergunta pode ser lida de maneira diferente dependendo do contexto. Por essa razão, eu tenho usado o ato de fazer perguntas como um exercício ativo de especulação e escavação desse tema, principalmente com foco nas minhas experiências pessoais, nas relações interpessoais e institucionais. Este é um processo contínuo sem conclusão que pode servir como uma abertura para uma investigação mais aprofundada ou fornecer marcadores de atenção. São perguntas que podem funcionar junto com outras perguntas vindas de outros lugares, feitas por outras pessoas, pensadas em outros contextos. Também acredito que elas poderiam ser reelaboradas ou remontadas de outra forma, talvez como um jogo.

 

O que é cuidado?

O que é não é cuidado?

Como você se relaciona com a palavra ‘cuidado’?

Você recebeu cuidado na sua infância?

Você recebe cuidado na sua vida adulta?

Como você acha que será cuidado na sua velhice?

Quem foi a pessoa que mais cuidou de você em toda a sua vida?

Receber cuidado é um direito ou um privilégio?

De quem é a responsabilidade de cuidar?

Quem deveria cuidar de você?

Cuidar é natural?

Cuidar é cultural?

O trabalho de cuidar é invisível? Se é visível, onde você o vê?

Onde você não vê cuidado?

Todo mundo nasce sabendo cuidar?

O cuidado é humano?

O cuidado é naturalmente maternal?

Cuidar é um trabalho?

Que tipo de trabalho envolve cuidado?

O cuidado é uma prática?

Quais são as atividades relacionadas à responsabilidade de cuidar?

Quais são os espaços associados à prática do cuidar?

Cuidar é uma obrigação moral ou religiosa?

O cuidado é laico?

Como as religiões interferem em nossa noção e práticas de cuidado?

O quanto a religião interfere na sua forma de cuidar ou pensar sobre o cuidado?

Ser solidário é ser cuidadoso?

Existem parâmetros ideais de cuidado? Se não existem, eles deveriam existir?

Direitos humanos e cuidado significam a mesma coisa?

Quem ama, cuida? Se você se importa comigo, você me ama?

É possível amar e não cuidar?

É possível cuidar sem nunca ter sido amado?

Por que eu devo me preocupar com o cuidado?

É possível definir as habilidades básicas de um cuidador? Se sim, quais seriam?

O cuidado é feminino? Em caso afirmativo, por quê?

Em quais situações é o Estado que cuida?

Em qual situação o Estado não cuida?

Em que situação o Estado é obrigado a cuidar, mas não cuida?

As políticas de cuidado são oferecidas a todos?

Somos todos cuidadores?

É possível perder a capacidade de cuidar?

É aceitável recusar cuidado?

O que significa formular uma noção transnacional de cuidado? Em que instância isso poderia ser aplicado?

Cuidar requer controle?

Cuidar é o mesmo que servir?

Quem pode e quem não pode recusar a responsabilidade de cuidar?

Cuidar demanda tempo?

O que você gostaria de fazer com o seu tempo se não estivesse cuidando dos outros?

Você tem responsabilidades de cuidado? Se sim, quais são eles?

Cuidar é bom?

Ser cuidado é prazeroso?

O que define o bom cuidado?

O que caracteriza o mau cuidado?

O que precisamos fazer para aprender a cuidar melhor?

Você se sente confortável recebendo cuidado?

Em que tipo de situação o cuidado te incomoda?

Em que tipo de situação o cuidado se torna opressivo?

Quem precisa de cuidados?

Quem não precisa de cuidados?

O que nós devemos cuidar primeiro?

O que envolve cuidar?

Cuidar se aprende? Se sim, onde?

O cuidado é onipresente?

Que oportunidades você perdeu por ter que assumir a responsabilidade de cuidar?

Você acha que o cuidado está presente no seu ambiente de trabalho? De que maneira?

Como minimizar o fardo daqueles que são responsáveis pelo cuidado?

Todos nós devemos nos preocupar com quem que tem responsabilidade de cuidar?

Quem cuida do cuidador?

Quem cuida de quem cuida? 

Quais práticas de cuidado podem ser aplicadas nas relações cotidianas?

Quais práticas de cuidado devem ser aplicadas nas relações profissionais?

Quando cuidado e violência se encontram?

Existe limite para o cuidado?

Quando não é possível cuidar?

Como praticar o cuidado respeitando os limites de si e do outro?

Como podemos praticar o cuidado durante uma situação de conflito?

Quando não há cuidado?

Quando o cuidado pode se tornar uma obsessão?

Quando o cuidado pode se tornar perigoso?

É possível reparar a falta de cuidado prolongado?

O que acontece se ninguém cuidar?

Cuidar requer atenção?

Qual é o impacto de não receber cuidado quando se precisa?

Como identificar a ausência de cuidado?

Quais são as principais políticas de cuidado oficializadas no seu país?

Quais são as principais políticas de cuidado do seu setor de trabalho?

Você já se beneficiou de alguma políticas públicas de cuidado?

Quais são as políticas públicas de cuidado que você gostaria de criar?

Um cuidador remunerado deve oferecer afeto em seu trabalho? Porque?

Demonstrar afeto é o mesmo que ser cuidadoso?

É possível afirmar a urgência de um processo de descolonização da prática do cuidado?

Onde o cuidado está sendo negligenciado?

Onde o cuidado está sendo negado?

Onde o cuidado não chega?

Onde o cuidado nunca chegou?

Quais corpos são considerados dignos de cuidados?

Quais corpos são descartados em nome do cuidado?

Como a gente cuida da morte? Nós cuidamos da morte?

Como nós cuidamos dos nascimentos? Nós cuidamos bem de quem nasce?

Como a gente cuida da dor? Do trauma? De abandono?

Como a gente cuida do medo? da solidão? das tristezas profundas? Do luto?

Como a gente cuida dos que desejam morrer? Do suicídios? Da eutanásia? 

A reflexão sobre o cuidado é um movimento ético-político?

Quem paga pelo cuidado de quem?

Cuidar é um negócio?

Quem se beneficia com a falta de cuidado?

Quem pode pagar pelos cuidados?

Quem não pode pagar pelos cuidados?

Os cuidadores são devidamente remunerados?

Quem deveria receber apoio financeiro para seus cuidados, mas não o recebe?

Quem fala em nome do cuidado?

Que relações de poder estão em jogo quando reivindicamos cuidado?

Quem clama por cuidado, mas nunca é ouvido?

Quem está morrendo por falta de cuidado?

Você conhece alguém que morreu porque não recebeu cuidado?

Quem ficou louco por causa da sobrecarga relacionada ao cuidado?

Quem sobreviveu graças aos cuidados que recebeu?

Diferentes gerações entendem o cuidado da mesma forma?

Por que é urgente fazer tantas perguntas sobre o cuidado?

Por que estou questionando o cuidado agora?

É possível reimaginar o cuidado?

Como reimaginar profundamente o cuidado?

Pessoas brancas e pessoas racializadas são cuidadas da mesma forma?

O gênero ajuda a definir quem cuida?

Cuidado é sempre acessível? Pra quem?

O cuidado é incondicional?

O cuidado tem limites geográficos?

É possível receber cuidado em qualquer lugar do mundo?

É aceitável negar cuidado para quem não pode pagar por ele?

Aqueles que recebem cuidados vivem mais?

O cuidado é negociável?

O cuidado é lucrativo?

Em quais instância o cuidado não pode ser vendido?

Alguém já te negou cuidado?

Seria possível inventar um movimento poético-artístico sobre o cuidado?

O cuidado é relevante para o mundo da arte e para o mercado de arte?

O artista é um cuidador?

O trabalho artístico requer cuidado?

Onde estão as mães que são artistas?

O que acontece com as mães que não sabem ou não querem cuidar?

Onde estão os artistas com deficiência física ou neurológica?

A palavra cuidado existe em todas as línguas?

A palavra cuidado tem o mesmo significado em idiomas diferentes?

Quando eu digo cuidado, você me entende?

As políticas de cuidado no setor artístico são igualitárias e transparentes?

O que artistas com responsabilidade de cuidar precisam?

Como o trabalho de cuidado ajuda a movimentar a economia do seu país?

Como o trabalho de cuidado ajuda a movimentar a economia mundial?

E se ninguém tivesse vontade, tempo e recursos para cuidar?

Quanto tempo por dia você dedica ao trabalho doméstico?

O trabalho doméstico é um trabalho de cuidado?

Do que você tem que abrir mão para cumprir com a sua responsabilidade de cuidar? 

Que tipo de cuidado é urgente? Quem define essa urgência?

A sobrecarga gerada pela responsabilidade de cuidar afeta a saúde mental de quem cuida?

A sobrecarga gerada pela responsabilidade de cuidar limita a prosperidade econômica de quem cuida?

A sobrecarga gerada pela responsabilidade de cuidar interfere na participação de mulheres na política?

O trabalho de cuidar pode ser forçado? 

O trabalho de cuidar é um tipo de prestação de serviço?

Como as mudanças climáticas podem afetar as pessoas que cuidam?

Como o cuidado pode afetar a mudança climática?

Você conhece programas sociais voltados para pessoas com responsabilidades de cuidado?

Quanto sua empresa ou organização tem investido para melhorar o relacionamento interpessoal e o cuidado entre os funcionários?

Você se sente à vontade para dizer a seus colegas de trabalho que tem a responsabilidade de cuidar?

Você sente que seus colegas de trabalho respeitam o fato de você ter responsabilidade de cuidar?

Sua chefia é flexível quando você tem um problema relacionado à sua responsabilidade de cuidar?

Você já sofreu abusos por ter responsabilidades de cuidar?

Alguém já questionou os seus direitos trabalhistas básicos como alguém que tem responsabilidade de cuidar?

Alguém já te disse que você é “menos profissional” por ser mãe?

Alguém já te disse que você é “menos profissional” por ser pai?

Alguém já te disse que você é “menos profissional” por ter deficiências físicas ou neurológicas?

Você sentiria vergonha de amamentar seu filho em seu ambiente de trabalho? Em caso afirmativo, por quê?

Historicamente, quem está encarregado de cuidar?

É possível pensar em novas formas de redistribuir as responsabilidades de cuidado dentro da família? Em caso afirmativo, como?

Se monetizarmos o trabalho de cuidado não remunerado, que cifra atingiríamos?

A pandemia mudou sua concepção de cuidado? Se sim, de que forma?

Na sociedade contemporânea, a responsabilidade de cuidar tem gênero? Se sim, qual?

No mundo da arte, a responsabilidade de cuidar também tem gênero? Se sim, qual?

Quem cuida dos artistas que cuidam?

Cuidar é sinônimo de curar?

O cuidado pode ser gerado por forças não humanas?

Existe uma tecnologia do cuidado?

As máquinas podem cuidar?

As plantas podem cuidar? As pedras podem cuidar? Os animais podem cuidar? A Terra cuida?

Você tem uma entidade guia que cuida de você?

Como nós estamos cuidando dos nossos ancestrais?

Como os nossos ancestrais estão cuidando de nós?

Você carrega algum trauma histórico e/ou geracional relacionado à falta de cuidado?

Quais são os traumas coletivos que estão sendo gerados pela ausência de cuidado?

Como você cuida da sua saúde física, emocional e mental?

Como você cuida do seu lixo ou das coisas que você descarta?

Existe uma estética para o cuidado?

O que nós não estamos percebendo, mas que está diretamente ligado à problemática do cuidado?

Quais perguntas nunca foram feitas sobre cuidados?

Você conversa com os outros sobre como cuidar e ser cuidado? Isso gera desentendimentos?

Você ensina seu filho a cuidar?

Crianças devem ter responsabilidade de cuidar?

Como nós podemos expandir o conceito de cuidado através de cosmologias não centradas no pensamento humano?

Você consegue imaginar novas práticas de cuidado sendo aplicadas pelas gerações futuras? Quais seriam elas?

Um espírito despreocupado é mais ou menos capaz de cuidar?

Como você está cuidando da sua alma?

Banner image credit:

Rubiane Maia, Eyes Examination (2023), photograph, artist’s archive

Also

Reimagining Care – A Research Residency by Rubiane Maia

Reimagining Care is a research residency by artist Rubiane Maia. The residency focuses on processes and exchanges rather than outcome, and is funded through the salary of LADA’s Co-Director Chinasa Vivian Ezugha.

Read more
Ongoing

Reimagining Care

LADA’s latest project Reimagining Care focuses on contemporary discourses about care and care practices, exploring how they can contribute to transforming the art sector.

Read more

Fundraising Resource Handbook

Artsadmin, Home Live Art and LADA worked to develop a free online Fundraising Resource Handbook

Read more

Ego

A series of debates between eminent artists and scientists at the Old Operating Theatre.

Read more

Reading Performance Art From Then Till Now

A debate as part of Whitechapel Gallery’s A Short History of Performance season.

Read more

Glimpses of Before – 1970s Performance Art in the UK

Online Study Room Guide on 1970’s Performance Art in the UK

Read more

Monica Ross: A Symposium

Speakers who knew Monica Ross personally will explore her contributions

Read more

Potentials of Performance

The third and final year of Performance Matters, led by the project’s postgraduate researchers.

Read more